A saúde mental das crianças e dos adolescentes: considerações epidemiológicas, assistenciais e bioéticas

Autores

  • Helvécio Neves Feitosa

Resumo

Neste trabalho são apresentados aspectos epidemiológicos relativos a crianças e adolescentes com problemas de saúde mental, no mundo e no Brasil; os transtornos mais comuns nesta faixa etária; e a gênese de tais transtornos, cuja ênfase recai no ambiente familiar, no qual se constata forte associação entre a violência doméstica e a ocorrência de tais distúrbios. É discutida a crise de oferta de serviços de saúde para crianças e adolescentes com problemas de transtorno mental, bem como a carência de profissionais treinados para lidar com este grupo especial de pacientes. Os aspectos bioéticos envolvidos na assistência também são discutidos, com destaque para o estado de vulnerabilidade desses pacientes com relação ao exercício da autonomia. Ao final, se considera que para abarcar o princípio bioético da justiça urge implantar e implementar serviços de saúde mental comunitários, especializados no atendimento a crianças e adolescentes, principalmente em regiões carentes, bem como na periferia das grandes cidades.

Palavras-chave:

Saúde mental. Bioética.Vulnerabilidade. Criança. Adolescente.

Biografia do Autor

Helvécio Neves Feitosa

Médico, Especialista em Ginecologia e Obstetrícia, Doutor em Obstetrícia, Doutorando em Bioética pela Faculdade de Medicina da Universidade do Porto / Conselho Federal de Medicina, Professor do Curso de Medicina Universidade de Fortaleza (UNIFOR), Ceará, Brasil

Como Citar

1.
Feitosa HN. A saúde mental das crianças e dos adolescentes: considerações epidemiológicas, assistenciais e bioéticas. Rev. bioét.(Impr.). [Internet]. 2º de maio de 2011 [citado 18º de junho de 2024];19(1). Disponível em: https://revistabioetica.cfm.org.br/revista_bioetica/article/view/521