Prevalência e motivos para recusar participação em pesquisa clínica

Autores

  • Nathalia Sernizon Guimarães Universidade Federal de Minas Gerais
  • Dirceu Bartolomeu Greco
  • Maria Arlene Fausto
  • Adriana Maria Kakehasi
  • Milena Maria Moreira Guimarães
  • Unaí Tupinambás

Resumo

As informações fornecidas sobre prevalência e os motivos da recusa de voluntários a participar em pesquisa científica são escassas. Este artigo objetiva descrever esses dados em coorte voltada a avaliar morbimortalidade
de pessoas vivendo com HIV/aids (PVHA) a partir de estudo transversal realizado no Centro de Treinamento e Referência em Doenças Infecciosas e Parasitárias. Foram obtidas as informações: origem, data de nascimento, idade, sexo e motivo do não consentimento, quando aplicável. Falta de tempo para se dedicar a pesquisa foi o principal motivo alegado para o não consentimento (63%), seguido por medo de falta de sigilo (17%). Não houve diferença estatística entre os que aceitaram ou não participar por sexo, idade ou origem do serviço. Consideraram-se elevados os percentuais de recusa de PVHA (40,7%), bem como de falta de tempo disponível para participação (63%).

Palavras-chave:

Estudos longitudinais. Voluntários. Pesquisa biomédica/Epidemiologia. Bioética.

Como Citar

1.
Guimarães NS, Greco DB, Fausto MA, Kakehasi AM, Guimarães MMM, Tupinambás U. Prevalência e motivos para recusar participação em pesquisa clínica. Rev. bioét.(Impr.). [Internet]. 20º de julho de 2016 [citado 21º de fevereiro de 2024];24(2). Disponível em: https://revistabioetica.cfm.org.br/revista_bioetica/article/view/1081