A fragilidade humana diante da pobreza e da fome

Resumo

O presente artigo busca realizar aproximação entre os temas que guardam relação com a fome, a pobreza, os direitos humanos, a alimentação e a falta de empoderamento dos cidadãos vulnerados. Essas perspectivas assumidas no campo da bioética tentam refletir sobre a fragilidade humana diante da pobreza e da fome. Aborda os legados de Josué de Castro, Paulo Freire, John Rawls e Amartya Sen ao momento em que se discute o direito a alimentação, tendo em vista as dimensões assustadoras da fome no mundo. Busca-se refletir sobre a iniquidade e a insatisfatória distribuição do alimento como fonte de vida e sobrevivência. Ao definir o empoderamento como liberdade e desenvolvimento do indivíduo, do seu coletivo e das suas relações, o estudo sinaliza que a fome é sofrimento que remete à reflexão multidimensional. A erradicação da fome é, portanto, tarefa que se impõe a todos os que buscam o pleno exercício da cidadania.

Palavras-chave:

Bioética. Direitos humanos. Equidade. Fome. Justiça social. Pobreza.

Como Citar

1.
A fragilidade humana diante da pobreza e da fome. Rev. bioét.(Impr.). [Internet]. 23º de março de 2015 [citado 25º de junho de 2024];23(1). Disponível em: https://revistabioetica.cfm.org.br/revista_bioetica/article/view/989