Religião no tratamento da doença renal crônica: comparação entre médicos e pacientes

Autores

  • Eli Ávila Souza Júnior Universidade do Vale do Sapucaí (Univas).
  • Diego Da Silva Vanoni Trombini Universidade do Vale do Sapucaí (Univas).
  • Adriana Rodrigues dos Anjos Mendonça Mendonça Universidade do Vale do Sapucaí (Univas).
  • Augusto Castelli Von Atzingen Universidade do Vale do Sapucaí (Univas).

Resumo

A insuficiência renal crônica é uma doença de elevada morbimortalidade. O cotidiano dos pacientes acometidos reveste-se de sentimentos negativos, medo do prognóstico, incapacidade, dependência econômica, além daqueles relacionados à alteração da autoimagem. A religião e a espiritualidade podem ser recursos importantes para lidar com essas dificuldades. Para verificar essa hipótese, realizou-se no Hospital das Clínicas Samuel Libânio de Pouso Alegre/MG estudo qualitativo descritivo, objetivando avaliar, do ponto de vista do médico e do paciente, em que medida a religião influi no tratamento da doença. Para os médicos, a religião representa força e conforto no enfrentamento de qualquer doença. Já os pacientes, todavia, depositam na
religião a esperança de que irão melhorar. O significado da religião em suas vidas foi distinto entre os dois grupos analisados; entretanto, ambos concordam que a religião configura um fator benéfico na vida do paciente, propiciando alívio, suporte e otimismo.

Palavras-chave:

Religião. Insuficiência renal crônica. Pesquisa qualitativa. Qualidade de vida. Bioética.

Como Citar

1.
Júnior E Ávila S, Trombini DDSV, Mendonça AR dos AM, Atzingen ACV. Religião no tratamento da doença renal crônica: comparação entre médicos e pacientes. Rev. bioét.(Impr.). [Internet]. 26º de novembro de 2015 [citado 2º de março de 2024];23(3). Disponível em: https://revistabioetica.cfm.org.br/revista_bioetica/article/view/971