Tradição e fundamentos éticos hipocráticos aplicáveis à terminalidade da vida

Resumo

A medicina ocidental tem sua origem na Grécia antiga, quando o pensamento mítico e a prática médica sobrenatural e empírica dão lugar a uma racionalidade médica – tékhn?-iatrik? – baseada na observação da natureza. A tékhn?-iatrik? compreende a enfermidade e o enfermo como partes constitutivas da natureza, regidas por leis universais e normas preconcebidas, não devendo, por isso, ser utilizados meios irracionais para superá-las. A racionalidade técnica dominante na medicina atual afastou a prática médica contemporânea da arte hipocrática, e os avanços da ciência e da tecnologia proporcionam condições de manutenção da vida que geram dilemas éticos em pacientes terminais, relegando a dignidade humana a segundo plano. A ética hipocrática, baseando-se no respeito às leis naturais e à pessoa humana, é importante instrumento que, aliado à cultura, à técnica e à arte, proporcionam ao médico o exercício da medicina em conformidade com os preceitos de sua tradição.

Palavras-chave:

Técnica, Natureza, Humanismo, Moral, Morte com dignidade

Como Citar

1.
Tradição e fundamentos éticos hipocráticos aplicáveis à terminalidade da vida. Rev. bioét.(Impr.). [Internet]. 1º de dezembro de 2014 [citado 18º de junho de 2024];22(3). Disponível em: https://revistabioetica.cfm.org.br/revista_bioetica/article/view/951