Comunicação de prognóstico reservado ao paciente infantil

Resumo

A morte de uma criança é um assunto difícil de ser abordado, mesmo para equipes de saúde. Este trabalho discute sobre a postura do profissional da saúde diante da necessidade de comunicação sobre um paciente infantil com prognóstico reservado. Para tanto, foi realizada revisão narrativa de artigos nacionais e internacionais, além de capítulos de livro sobre os temas morte, pacientes infantis com doenças terminais, comunicação de más notícias e prognóstico reservado. Observou-se que uma postura mais enfática, atentando e validando as emoções do paciente, costuma trazer melhores resultados. Encontraram-se também estresse e dificuldade de muitos profissionais em lidar com esse tipo de comunicação, o que pode ser contornado com capacitação e contato mais precoce com tais discussões.

Palavras-chave:

Morte, Doente terminal, Prognóstico, Criança

Como Citar

1.
Comunicação de prognóstico reservado ao paciente infantil. Rev. bioét.(Impr.). [Internet]. 1º de dezembro de 2014 [citado 18º de junho de 2024];22(3). Disponível em: https://revistabioetica.cfm.org.br/revista_bioetica/article/view/863