Trote universitário: diversão ou constrangimento entre acadêmicos da saúde?

Resumo

O estudo objetivou identificar, entre universitários, a opinião acerca da participação no trote de calouros, bem como os possíveis constrangimentos relacionados. Participaram 202 estudantes com idade média de 20 anos ,que correspondem a 80,8% dos universitários da instituição. A maioria (77,5%) não vê o trote como violência e 67,8% dele participaram ao ingressar no curso. Entre os que percebem o trote como violência, não houve diferença entre sexo e o curso (p>0,05). No entanto, a opinião prevalente daqueles com maior idade (p<0,05),que não participaram do trote (p<0,05), considera-o constrangedor (p<0,05). Se grande parte dos estudantes avaliou positivamente o trote, mas os não participantes sentiram-se constrangidos, pode-se questionar em que medida as instituições de ensino superior podem continuar admitindo o trote como rito de passagem ou até que ponto se deve classificá-lo como processo opressivo, apesar de naturalizado.

Palavras-chave:

Estudantes de ciências da saúde, Violência, Comportamento de massa, Comportamento social

Como Citar

1.
Trote universitário: diversão ou constrangimento entre acadêmicos da saúde?. Rev. bioét.(Impr.). [Internet]. 8º de agosto de 2013 [citado 22º de fevereiro de 2024];21(2). Disponível em: https://revistabioetica.cfm.org.br/revista_bioetica/article/view/826