Saúde mental, gênero e violência estrutural

Resumo

Transtornos de ansiedade e depressão são diagnósticos frequentes no mundo ocidental. Autores os definem como transtornos mentais comuns e pesquisas têm apontado alta correlação entre seu aparecimento e
condições socioeconômicas tais como gênero, pobreza e baixa escolaridade, dentre outras. O presente artigo fez uma análise dos sintomas e diagnósticos encontrados em prontuários de pacientes homens e mulheres de dois grandes hospitais psiquiátricos do Distrito Federal. Foram analisados 72 prontuários masculinos e 165 femininos.
A frequência dos sintomas foi contabilizada da mesma maneira que os diagnósticos. Observou-se que 27,5% dos diagnósticos masculinos e 59,6% dos femininos podem ser considerados transtornos mentais comuns. Além disso, o perfil biométrico levantado aponta para a prevalência de mulheres, negras, pobres e domésticas como usuárias
destes serviços. Discussão: questiona-se se tais diagnósticos apontam para um quadro médico ou se o que está
ocorrendo é uma medicalização de mazelas sociais.

Palavras-chave:

Saúde mental, Psiquiatria comunitária, Feminismo

Como Citar

1.
Saúde mental, gênero e violência estrutural. Rev. bioét.(Impr.). [Internet]. 5º de setembro de 2012 [citado 18º de junho de 2024];20(2). Disponível em: https://revistabioetica.cfm.org.br/revista_bioetica/article/view/745