Bioética e gênero: moralidades e vulnerabilidade feminina no contexto da Aids

Autores

  • Dirce Guilhem
  • Anamaria Ferreira Azevedo

Resumo

A modificação do perfil epidemiológico de gênero da Síndrome de Imunodeficiência Adquirida (Aids) caracteriza-se pelo aumento da epidemia entre as mulheres, principalmente
entre aquelas que se encontram em relacionamentos estáveis. Para elas, a principal causa de exposição ao risco ultrapassa os determinantes epidemiológicos tradicionalmente considerados pelos formuladores de políticas públicas de saúde. Esta causa está intimamente relacionada às moralidades vinculadas à conjugalidade, à crença na segurança das relações estáveis, que se revela o fator que mais intensamente as expõe a um permanente estado de vulnerabilidade. A confluência entre valores morais, identidade de gênero construída socialmente e o processo de atenção à saúde feminina, transforma as mulheres nessa situação em escravas do risco. Diante dessa realidade, as políticas de promoção à saúde necessitam considerar as crenças morais ligadas às relações afetivo-sexuais como principal fator de exposição ao risco de contrair a doença.

Palavras-chave:

Bioética, Gênero e saúde, Moralidades, Vulnerabilidade, Risco, Mulheres, Síndrome de Imunodeficiência Adquirida

Biografia do Autor

Dirce Guilhem

Enfermeira, doutora em Ciências da Saúde, área de concentração Bioética, pela Universidade de Brasília (UnB), pós-doutora em Bioética e Pesquisa com Seres Humanos pela Facultad Latinoamericana de Ciencias Sociales (FLACSO), Buenos Aires, professora titular da Universidade de Brasília

Anamaria Ferreira Azevedo

Enfermeira, mestre em Ciências da Saúde área de concentração Bioética, pela Universidade de Brasília (UnB), docente do Curso de Enfermagem do Centro Universitário Unieuro, enfermeira da Secretaria de Saúde do Distrito Federal

Publicado:

2009-07-06

Downloads

Como Citar

1.
Guilhem D, Azevedo AF. Bioética e gênero: moralidades e vulnerabilidade feminina no contexto da Aids. Rev. bioét.(Impr.). [Internet]. 6º de julho de 2009 [citado 15º de abril de 2024];16(2). Disponível em: https://revistabioetica.cfm.org.br/revista_bioetica/article/view/70