Delineando fronteiras: reflexão sobre os limites éticos para a aplicação de tecnologias genéticas

Resumo

Este artigo objetiva desenvolver uma reflexão sobre os limites éticos para os usos da engenharia genética em humanos. Para tanto, buscou-se delinear fronteiras éticas entre as duas finalidades para intervenções genéticas: tratamento e melhoramento. Adicionalmente, foi desenvolvido breve retrospecto histórico sobre as investidas eugenistas eclodidas no Brasil, Alemanha e Estados Unidos. Também foram introduzidos argumentos frequentemente empregados contra as intervenções genéticas: a antinaturalidade, o brincar de Deus, a trapaça social, o uso de informações genéticas, as implicações da manipulação de células germinativas e o recurso lógico às ladeiras escorregadias. O artigo finaliza advertindo para a necessidade do estabelecimento de um debate público sobre o tema, visando propiciar a criação de leis e códigos éticos reguladores da prática científica e médica sobre as tecnologias de manipulação genética. Contudo, tal fato demanda, necessariamente, melhor qualidade de educação e informação da sociedade brasileira, principalmente no âmbito escolar.

Palavras-chave:

Genética. Genética comportamental. Engenharia genética. Predisposição genética para doença. Privacidade genética. Eugenia.

Como Citar

1.
Delineando fronteiras: reflexão sobre os limites éticos para a aplicação de tecnologias genéticas. Rev. bioét.(Impr.). [Internet]. 24º de maio de 2012 [citado 4º de março de 2024];20(1). Disponível em: https://revistabioetica.cfm.org.br/revista_bioetica/article/view/603