A bioética como forma de resistência à biopolítica e ao biopoder

Resumo

O trabalho intenta desconstruir os conceitos de biopolítica e biopoder e objetiva criar condições para uma atuação correta da bioética, entendida tanto como ferramenta analítica e normativa da moralidade da biopolítica e do biopoder quanto como aplicação prática sob a forma de resistência e dissidência democrática com relação aos efeitos moralmente questionáveis, resultantes das práticas biopolíticas e dos usos inadequados de tais conceitos para realizá-las. Seu pressuposto é o de que os conceitos de biopolítica e biopoder são utilizados, na maioria das vezes, de forma inconsistente ou como palavras 

passe-partout, o que afeta seu poder de inteligibilidade para entender as profundas transformações da sociedade contemporânea, inclusive com relação às percepções de si enquanto ‘sistema vivo’. A desconstrução constitui, portanto, uma operação prévia necessária devido à subsunção da ética à política, supostamente legitimada pela referência comum à “vida”, indicada pela palavra grega bíos, a qual, no entanto, se revela inextricavelmente vinculada a zoé, quando não subsumida a esta. Por fim, o trabalho discute as propostas de democracia biopolítica e de biopolítica democrática, mostrando a necessidade de um controle bioético da biopolítica.

Palavras-chave:

Bioética. Biopolítica. Controle. Justiça. Imunidade.

Como Citar

1.
A bioética como forma de resistência à biopolítica e ao biopoder. Rev. bioét.(Impr.). [Internet]. 7º de janeiro de 2011 [citado 14º de junho de 2024];18(3). Disponível em: https://revistabioetica.cfm.org.br/revista_bioetica/article/view/583