Transformações na relação médico-paciente na era da informatização

Autores

  • Alvaro Angelo Salles

Resumo

O artigo questiona o papel do médico no contexto de uma medicina tecnicista e impessoal, orientada para as necessidades do mercado e não as do ser humano. Considerando as relações sociais e do trabalho como condições para a existência plena do homem, revisa os fatos que estão transformando o trabalho médico em produto de mercado e discute a hipervaloração de procedimentos tecnológicos em detrimento da relação interpessoal na consulta e tratamento do doente. Constata, ainda, a crescente perda de valores humanistas e éticos na postura do médico ao aderir a uma medicina mecanicista e sem bases bioéticas, ressaltando a necessidade de preservação da interação médico-paciente a partir de princípios como o respeito à autonomia e à dignidade entre pessoas. Sugere, finalmente, que a ‘robotização’ do médico pode significar a futura extinção de sua profissão.

Palavras-chave:

Relações médico-paciente. Humanização da assistência. Bioética. Autonomia profissional. Autonomia pessoal. Aplicação de informática médica. Comunicação.

Biografia do Autor

Alvaro Angelo Salles

Psiquiatra da Fundação Hospitalar de Minas Gerais, mestre em Bioética pela Universidade do Vale do Sapucaí, doutorando em Bioética pela Faculdade de Medicina da Universidade do Porto, Portugal, e presidente da Sociedade Brasileira de Bioética Regional Minas Gerais, Brasil.

Como Citar

1.
Salles AA. Transformações na relação médico-paciente na era da informatização. Rev. bioét.(Impr.). [Internet]. 11º de junho de 2010 [citado 29º de fevereiro de 2024];18(1). Disponível em: https://revistabioetica.cfm.org.br/revista_bioetica/article/view/535