Distanásia: Até quando investir sem agredir?

Autores

  • Leo Pessini

Resumo

Este trabalho procura refletir sobre uma questão contemporânea sempre mais polêmica,qual seja, a distanásia (obstinação terapêutica). Iniciamos definindo o que se entende por distanásia,analisando a combinação tecnociência e medicina. Avançamos identificando dois paradigmas básicos, o do curar e cuidar. Neste contexto, fazemos algumas pontualizações sobre alguns conceitos fundamentais no processo: vida - sacralidade e qualidade; sofrimento: que sentido?; filosofia dos cuidados paliativos.Finalizando, vemos o que a ética médica brasileira codificada diz a respeito da distanásia e sinalizamospara a árdua tarefa: de por um lado não matar: por de outro, não procrastinar ou adiar pura e simplesmente a morte. Ao não matar e ao não maltratar terapeuticamente, está o amarás, o cuidar dosofrimento. A perspectiva proposta é a de morrer com dignidade.

Palavras-chave:

Distanásia, hospice, futilidade médica

Biografia do Autor

Leo Pessini

Professor doutor no mestrado stricto sensu em Bioética do Centro Universitário São Camilo

Publicado:

2009-11-04

Downloads

Como Citar

1.
Pessini L. Distanásia: Até quando investir sem agredir?. Rev. bioét.(Impr.). [Internet]. 4º de novembro de 2009 [citado 25º de maio de 2024];4(1). Disponível em: https://revistabioetica.cfm.org.br/revista_bioetica/article/view/394