Vulnerabilidade moral entre estranhos morais: limites do princípio da permissão

Autores

  • Thiago Rocha da Cunha Programa de Pós-Graduação em Bioética Escola de Ciências da Vida Pontifícia Universidade Católica do Paraná http://orcid.org/0000-0002-6330-2714
  • Mário Sanches Programa de Pós-gradução em Bioética da Pontifícia Universidade Católica do Paran[a
  • Mariel Mannes Programa de Pós-gradução em Bioética da Pontifícia Universidade Católica do Paran[a

Resumo

Este artigo apresenta uma análise crítica da obra de Tristram Engelhardt, com foco no princípio da permissão. Argumenta-se que, em contextos de intensas desigualdades sociais e negação de direitos, a aplicação da ética de procedimentos baseada apenas no princípio da permissão pode resultar na vulnerabilidade moral de indivíduos e grupos que não compartilham de determinada moralidade. Isso pode levá-los a serem expostos a diferentes formas de negação de direitos, violência, exploração, exclusão e estigmatização. Diante dessa realidade, destaca-se a importância de fortalecer uma bioética comprometida com a defesa da dignidade, da diversidade, dos direitos humanos e da justiça social.

Palavras-chave:

Vulnerabilidade, Autonomia, Consentimento, Bioética, Direitos Humanos

Como Citar

1.
da Cunha TR, Sanches M, Mannes M. Vulnerabilidade moral entre estranhos morais: limites do princípio da permissão. Rev. bioét.(Impr.). [Internet]. 29º de abril de 2024 [citado 23º de maio de 2024];32. Disponível em: https://revistabioetica.cfm.org.br/revista_bioetica/article/view/3648