Caminhos de um comitê de ética: 10 anos da Plataforma Brasil

Autores

Resumo

Esta pesquisa buscou traçar o perfil do Comitê de Ética da Universidade Estadual Vale do Acaraú, Ceará, nos 10 anos da Plataforma Brasil. Levantaram-se pesquisas realizadas entre 2012 e 2021, conforme atores ou processos, seguindo a análise descritiva. Houve prevalência feminina e do campo da saúde ou ciências biológicas, e pareceristas tiveram maior formação acadêmica, tempo de experiência e número de projetos em relação a pesquisadores. Das 2.295 pesquisas analisadas, houve flutuações temporais, com concentração de projetos anteriormente aprovados até 2015, finalizados em 2016 e em trâmite em 2021, com evidente diminuição
em 2020 e 2021. Foram mais frequentes pesquisas originais de centros coordenadores, institucionais, brasileiras, autofinanciadas, sem área temática, com decisão ética favorável, em até três meses e tempo de fluxo reduzido entre quinquênios. Termo de consentimento livre e esclarecido e riscos destacaram-se como principais óbices éticos. Esse panorama valoriza a importância da plataforma para o progresso científico.

Palavras-chave:

Ética em Pesquisa. Bioética. Comitês de Ética em Pesquisa. Projetos. Avaliação da Pesquisa em Saúde.

Biografia do Autor

Igor Iuco Castro-Silva, Universidade Federal do Ceará, Sobral/CE, Brasil

Professor dos cursos de graduação em Odontologia e Psicologia

Elciane Maria do Nascimento, Universidade Federal do Ceará, Sobral/CE, Brasil

Estudante do programa de pós-graduação em Biotecnologia

Ana Carolina de Oliveira Portela, Universidade Federal do Ceará, Sobral/CE, Brasil

Estudante do curso de graduação em Odontologia

Jacques Antonio Cavalcante Maciel, Universidade Federal do Ceará, Sobral/CE, Brasil

Professor do curso de graduação em Odontologia

Como Citar

1.
Castro-Silva II, Nascimento EM do, Portela AC de O, Maciel JAC. Caminhos de um comitê de ética: 10 anos da Plataforma Brasil. Rev. bioét.(Impr.). [Internet]. 8º de agosto de 2023 [citado 19º de abril de 2024];31(1). Disponível em: https://revistabioetica.cfm.org.br/revista_bioetica/article/view/3401