Autonomia de pacientes em quimioterapia no Instituto Nacional de Câncer

Autores

  • Bruna Camelo Sedda Instituto Nacional do Câncer http://orcid.org/0000-0003-4969-9388
  • Fernando Lopes Tavares de Lima Instituto Nacional do Câncer José Alencar Gomes da Silva - Departamento de pesquisa populacional

Resumo

A autonomia do paciente deve ser garantida pelo acesso à informação, sendo preciso que ele saiba de tudo que se passa com sua saúde e conheça as suas opções, para tomar decisões a partir do entendimento do que é melhor para si. O objetivo deste estudo é compreender, na perspectiva do paciente com câncer, em que medida há respeito a sua autonomia durante o tratamento quimioterápico. Trata-se de estudo qualitativo, feito a partir de entrevistas com pacientes no início da quimioterapia, com análise de conteúdo a partir dos parâmetros da bioética da proteção para apresentação e discussão dos resultados. Evidenciou-se que a carência na qualidade da organização da rede e dos serviços pode limitar a autonomia. Além disso, as escolhas do próprio paciente, baseadas no sistema religioso ou na confiança do perito, enquanto detentor de conhecimento especializado, podem fazer com que o processo decisório a respeito das opções de tratamento seja delegado aos profissionais.

Palavras-chave:

Bioética. Neoplasias. Autonomia. Oncologia. Quimioterapia.

Referências

Herr GE, Kolankiewicz ACB, Berlezi EM, Gomes JS, Magnago TSBS, Rosanelli CP, et al. Avaliação de Conhecimentos acerca da Doença Oncológica e Práticas de Cuidado com a Saúde. Rev Bras Cancerol. 2013; 59 (1): 33–41.

Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva. Estimativa 2020 : incidência de câncer no Brasil. Rio de Janeiro: INCA; 2019.

World Health Organization. Globocan 2020 World. Glob Cancer Obs Cancer Today [Internet]. 2021; 419: 1–2. Available from: https://gco.iarc.fr/today/data/factsheets/populations/900-world-fact-sheets.pdf.

Schramm FR. A bioética de proteção: Uma ferramenta para a avaliação das práticas sanitárias? Cienc e Saude Coletiva. 2017; 22 (5): 1531–8.

Rego S; Palácios Marisa; Siqueira R. Bioética para profissionais da saúde. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz; 2009. p.134.

Niemeyer-Guimarães M, Schramm FR. The Exercise of Autonomy by Older Cancer Patients in Palliative Care: The Biotechnoscientific and Biopolitical Paradigms and the Bioethics of Protection. Palliat Care. 2017; 9.

Pontes CAA, Schramm FR. Bioética da proteção e papel do Estado: problemas morais no acesso desigual à água potável. Cad Saude Publica. 2004; 20 (5): 1319–27.

Felício JL, Pessini L. Bioética da Proteção: vulnerabilidade e autonomia dos pacientes com transtornos mentais. Rev Bioética. 2009; 17 (2): 203–20.

Schramm FR. A bioética de proteção é pertinente e legítima? Rev Bioética, Conselho Federal de Medicina, Brasília. 2011; 19 (3): 713-724.

Schramm FR. Bioética da Proteção: ferramenta válida para enfrentar problemas morais na era da globalização. Rev Bioética. 2008; 16 (1): 11-23.

Boy R, Schramm FR. Bioética da proteção e tratamento de doenças genéticas raras no Brasil: o caso das doenças de depósito lisossomal. Cad Saude Publica. 2009; 25 (6): 1276–84.

Garrafa V. Inclusão Social no Contexto Político da Bioética. Rev Bras Bioética. 2005; 1 (2): 122–32.

Brasil. HumanizaSUS: Política Nacional de Humanização: a humanização como eixo norteador das práticas de atenção e gestão em todas as instâncias do SUS. Ministério da Saúde, Secr Exec núcleo técnico da política Nac Humaniz Brasília. 2004;1–19.

Nunes FDBRS, Almeida ADL. Informação médica e consentimento de pessoas com câncer. Rev Bioética. 2018; 26 (1): 119–26.

Johnson SB, Butow PN, Kerridge I, Tattersall MHN. Patient autonomy and advance care planning: a qualitative study of oncologist and palliative care physicians’ perspectives. Support Care Cancer. 2018; 26 (2): 565–74.

Gaspar RB, Silva MM, Zepeda KGM, Silva ÍR. Fatores condicionantes à defesa da autonomia do idoso em terminalidade da vida pelo enfermeiro. Rev Bras Enferm. 2020; 73 (Suppl 3): 1–8.

Gil AC. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6. ed. São Paulo: Atlas; 2008.

Fontanella BJB, Ricas J, Turato ER. Amostragem por saturação em pesquisas qualitativas em saúde: contribuições teóricas. Cad Saude Publica. 2008; 24 (1): 17–27.

Firdion JM. Construir uma amostra. In: PAUGAM, S. A Pesquisa Sociológica. Vozes, Petrópolis. 2015; 67-84.

Bardin L. Análise do Conteúdo. 1. ed. São Paulo: Edições 70; 2016.

Schramm FR, Kottow M. Principios bioéticos en salud pública: limitaciones y propuestas. Cad Saude Publica. 2001; 17 (4): 949–56.

Mendes EV. As redes de atenção à saúde. Ciência & Saúde Coletiva 2010; 15: 2297–2305.

Botti, SHO. Desenvolvendo as competências profissionais dos residentes. Revista do Hospital Universitário Pedro Ernesto, UERJ 2012; 11(suplemento): 102-105.

Theobald MR, Santos MLM, Andrade SMO, De-Carli AD. Percepções do paciente oncológico sobre o cuidado. Physis. 2016; 26 (4): 1249–69.

Freitas FFQ, Rocha AB, Moura ACM, Soares SM. Fragilidade em idosos na Atenção Primária à Saúde: uma abordagem a partir do geoprocessamento. Ciência & Saúde Coletiva 2020; 25:4439-4450.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria MG/MS nº. 1820, de 13 de agosto de 2009. Dispõe sobre os direitos e deveres dos usuários da saúde. Diário Oficial da União, 2009.

Castilho, RK, Silva VCS, Pinto CS. Manual de Cuidados Paliativos. 3. ed. Rio de Janeiro: Atheneu; 2021; 624.

Brasil. Conselho Federal de Farmácia (Brasil). Resolução nº. 596, de 21 de fevereiro de 2014. Dispõe sobre o Código de Ética Farmacêutica, o Código de Processo Ético e estabelece as infrações e as regras de aplicação das sanções disciplinares. Diário Oficial da União 25 mar 2014.

Corrêa KM, Oliveira JDB, Taets GGCC. Impacto na Qualidade de Vida de Pacientes com Câncer em meio à Pandemia de Covid-19: uma Reflexão a partir da Teoria das Necessidades Humanas Básicas de Abraham Maslow. Rev Bras Cancerol. 2020; 66 (TemaAtual).

Campiolo EL, Kubo HKL, Ochikubo GT, Batista G. Impacto da pandemia do COVID19 no Serviço de Saúde: uma revisão de literatura. Interam J Med Heal. 2020; 3.

Soratto MT, Silva DM, Zugno PI, Daniel R. Espiritualidade e Resiliência em Pacientes Oncológicos. Saúde e Pesqui. 2016; 9 (1): 53.

Silva CAA, Rocha KAF, Ferro LRM, Oliveira AJ, Rivas MG. A Influência da fé no tratamento de pacientes oncológicos. Psicol e Saúde em Debate. 2021; 7 (2): 214–35.

Mundim ER. Bioética, Ciência e Fé. Rev. Med. Minas Gerais. 2011; 21 (3): 348–52.

Dumont LMM, Gattoni RLC. As relações informacionais na sociedade reflexiva de Giddens. Ciência da Informação. 2003; 32 (3): 46–53.

Giddens A. As consequências da modernidade; tradução Raul Fiker. São Paulo: Editora Unesp; 1991; 91-1754.

Brasil. Ministério da Saúde. Reflexões sobre ensino e pesquisa no SUS: experiência no contexto hospitalar de alta complexidade; cáp: As redes de comunicação no cotidiano de usuários do Sistema Único de Saúde: aproximações etnográficas [Internet]. Brasília: Ministério da Saúde, 2019; 185.

Como Citar

1.
Sedda BC, Lima FLT de. Autonomia de pacientes em quimioterapia no Instituto Nacional de Câncer. Rev. bioét.(Impr.). [Internet]. 17º de novembro de 2023 [citado 29º de fevereiro de 2024];31(2). Disponível em: https://revistabioetica.cfm.org.br/revista_bioetica/article/view/3261