Autonomia da pessoa com problema de álcool: consentimento informado

Autores

Resumo

O consentimento livre e esclarecido, como forma de garantir envolvimento e participação em tratamento, é parte da abordagem terapêutica à pessoa com problemas relacionados ao uso de álcool. O valor ético central da autonomia e sua imanência para o consentimento informado apresenta desafios ético-clínicos no caso de pessoa que busca tratamento em situação de coerção, ansiedade ou depressão. Entre abril de 2018 e junho de 2019, conduziu-se estudo observacional longitudinal prospetivo que incluiu 150 pessoas com problemas relacionados ao uso de álcool assistidas em unidade especializada de tratamento. O objetivo foi verificar se o consentimento com interferência de coerção, perturbação de ansiedade ou depressão determina a participação terapêutica. A ausência de coerção judicial e sintomatologia ansiosa e a maior valorização da perceção de autonomia no consentimento informado relacionaram-se com a participação. Propõem-se contributos para reforçar a prática do consentimento informado assente no reconhecimento e promoção da autonomia.

 

Palavras-chave:

Consentimento livre e esclarecido. Bioética. Transtornos relacionados ao uso de álcool. Participação do paciente. Coerção. Transtornos de ansiedade. Depressão.

Biografia do Autor

João Paulo Barbosa Azevedo, Instituto de Bioética da Universidade Católica Portuguesa

Doutorando em Bioética

Mestre em Psicologia Clínica do Desenvolvimento

Licenciado em Psicologia

Especialista em Psicologia Clínica e da Saúde e em Psicoterapia

Assistente Principal de Saúde na Unidade de Alcoologia do Porto, Portugal

Como Citar

1.
Azevedo JPB. Autonomia da pessoa com problema de álcool: consentimento informado. Rev. bioét.(Impr.). [Internet]. 3º de janeiro de 2023 [citado 19º de abril de 2024];30(4). Disponível em: https://revistabioetica.cfm.org.br/revista_bioetica/article/view/3157