Ensaios clínicos em congressos médicos: estudo sobre conflito de interesses

Autores

  • Milton Luiz Nascimento Universidade de Brasília, Doutorando, Programa de Pós Graduação em Bioética
  • Cláudio Fortes Garcia Lorenzo Universidade de Brasília, Departamento de Saúde Coletiva Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva Programa de Pós Graduação em Bioética
  • Mauro Niskier Sanchez Universidade de Brasília, Departamento de Saúde Coletiva Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva

Resumo

Este artigo busca investigar conflitos de interesses envolvendo a apresentação de ensaios clínicos em congressos brasileiros de cinco especialidades médicas, ocorridos entre 2004 e 2018. Foram estudados
407 resumos em 22 anais. Após aplicar critérios de seleção, obteve-se um corpus de 77 ensaios. Detectou-se maior frequência de conflitos de interesses envolvendo ensaios com drogas para as quais não havia genéricos/similares (p=0,000), sendo que em 48% daqueles em conflito de interesses não houve declaração. Os resultados favoráveis à droga-teste ocorreram em 90,9% do total de ensaios, mas em 48,6% deles não foi reportado valor de p. As categorias terapêuticas mais testadas foram
imunossupressores e imunomoduladores, antidiabéticos e antineoplásicos, que, juntas, representaram 68,9% do total de drogas envolvidas. Os resultados apontam conflitos de interesses ocultos, supervalorização de resultados positivos de drogas-testes, nem sempre com evidências suficientes, e concentração de produção em drogas de alto custo.

Palavras-chave:

Ensaio clínico. Indústria farmacêutica. Conflito de interesses. Ética em pesquisa. Conferência clínica.

Biografia do Autor

Milton Luiz Nascimento, Universidade de Brasília, Doutorando, Programa de Pós Graduação em Bioética

Enfermeiro, especialista e mestre em Bioética e Doutorando em Bioética pela PPG/Bioética (UnB).

Como Citar

1.
Nascimento ML, Lorenzo CFG, Sanchez MN. Ensaios clínicos em congressos médicos: estudo sobre conflito de interesses. Rev. bioét.(Impr.). [Internet]. 6º de julho de 2022 [citado 28º de maio de 2024];30(2). Disponível em: https://revistabioetica.cfm.org.br/revista_bioetica/article/view/3156