Comunicação do diagnóstico de infecção pelo HIV: experiência de jovens

Autores

  • Érika Eberline Pacheco dos Santos UFSM
  • Aline Cammarano Ribeiro UFSM
  • Stela Maris de Mello Padoin UFSM
  • Maria Clara da Silva Valadão HUSM
  • Cristiane Cardoso de Paula Ufsm

Resumo

Esta pesquisa qualitativa foi conduzida com dez participantes da região Sul do Brasil com idade entre 15 e 24 anos e visou identificar os elementos do processo comunicativo do diagnóstico de infecção pelo HIV em sua experiência, por meio de análise de conteúdo a partir das categorias teóricas do modelo lasswelliano. O canal foi a consulta médica; o contexto foi determinado pelo tipo de exposição (vertical ou horizontal); os ruídos apresentaram questões veladas e incertezas; as falhas implicaram as situações que levavam o jovem a suspeitar do diagnóstico; e os efeitos envolveram reações emocionais imediatas que se dissipam com o tempo. A comunicação na adolescência foi pontual, indicando a necessidade de qualificar o processo comunicativo, e desencadeada por familiares com apoio de profissionais. A comunicação do diagnóstico de HIV geralmente é postergada pelos familiares quando se trata de criança ou adolescente, o que fere o princípio da autonomia, por desconsiderar o direito de saber.

Palavras-chave:

Adulto jovem. Adolescente. HIV. Síndrome de imunodeficiência adquirida. Comunicação em saúde.

Como Citar

1.
Santos Érika EP dos, Ribeiro AC, Padoin SM de M, Valadão MC da S, Paula CC de. Comunicação do diagnóstico de infecção pelo HIV: experiência de jovens. Rev. bioét.(Impr.). [Internet]. 14º de dezembro de 2021 [citado 23º de maio de 2024];29(4). Disponível em: https://revistabioetica.cfm.org.br/revista_bioetica/article/view/2923