Desafios bioéticos do uso da inteligência artificial em hospitais

Autores

Resumo

Este artigo explora vantagens e possíveis desafios bioéticos do uso da inteligência artificial em hospitais. A partir da identificação de desafios no desenvolvimento de sistemas dotados de inteligência artificial (fase pré-hospitalar) e na implementação e capacitação de equipes de saúde (fase hospitalar), analisa-se o papel da abordagem bioética no enfrentamento dessa situação, sobretudo dos comitês de bioética hospitalar. Desse modo, mediante a identificação de desafios de ordem individual – referentes à autonomia, consentimento e privacidade dos pacientes – e coletiva – como a sociedade em geral deve se portar diante das novas tecnologias –, observa-se o papel do Estado na proteção da privacidade do paciente no contexto de utilização da inteligência artificial. Em conclusão, considerando a vulnerabilidade humana perante a tecnologia, entende-se que a regulamentação é um instrumento que, junto com os princípios
bioéticos, tenta minimizar os desafios do uso da inteligência artificial em hospitais.

Palavras-chave:

Inteligência artificial. Hospitais. Bioética.

Biografia do Autor

Heloá da Conceição Nunes

Mestranda em Bioética, Ética Aplicada e Saúde Coletiva (PPGBIOS/UFRJ). Pós-graduada em Direito de Família e Sucessões pela Universidade Cândido Mendes (UCAM). Bacharel em Direito pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ). Advogada.

Rita Miranda Coessens Guimarães

Pós-graduada em Psico-Oncologia e em Cuidados Paliativos, pela Faculdade de Ciências Médicas de Minas Gerais (FCMMG) . Psicóloga.

Luciana Dadalto

Doutora. Professora da Escola de Direito do Centro Universitário Newton Paiva, Belo Horizonte/MG, Brasil.

Como Citar

1.
Nunes H da C, Guimarães RMC, Dadalto L. Desafios bioéticos do uso da inteligência artificial em hospitais. Rev. bioét.(Impr.). [Internet]. 5º de abril de 2022 [citado 29º de fevereiro de 2024];30(1). Disponível em: https://revistabioetica.cfm.org.br/revista_bioetica/article/view/2644