Bioética, cuidados paliativos e libertação: contribuição ao “bem morrer”

Autores

Resumo

Os avanços tecnológicos na área da saúde reforçam a importância da bioética na garantia de direitos fundamentais relativos não só à vida, mas também à morte. Este artigo apresenta uma reflexão sobre o morrer e as contribuições que a bioética tem dado ao assunto, seja por meio dos princípios tradicionais de autonomia e dignidade, seja por meio da defesa de uma nova categoria: a libertação, proposta pela bioética de intervenção com base em Paulo Freire. Trata-se de pesquisa qualitativa, de abordagem hermenêutica, reflexiva, sociocrítica e analítica, cujo objetivo é demonstrar que a libertação pode contribuir para formar profissionais e pacientes mais críticos, comprometidos e livres, capazes de enfrentar um momento de tanta vulnerabilidade como é o momento da morte. O artigo defende que a adoção do conceito de libertação na reflexão bioética sobre cuidados paliativos pode contribuir ao processo de “morrer bem”. 

Palavras-chave:

Cuidados paliativos. Autonomia pessoal. Respeito.

Biografia do Autor

Meiriany Arruda Lima, Universidade de Brasília - UnB

Mestranda em Bioética no programa de Pós-Graduação da Universidade de Brasília, Cátedra UNESCO. Advogada.

Camilo Hernan Manchola Castillo, Universidade de Brasília - UnB

Doutor pela Cátedra UNESCO de Bioética da Universidade de Brasília (Brasil) desenvolvendo atualmente pós-doutorado na mesma área na Cátedra UNESCO de Bioética da Universidade de Brasília. Mestre em Educação pela Universidad Militar Nueva Granada (Colômbia). Formação complementar em nível de mestrado (um semestre) em Democracia e Transformações Globais na University of Helsinki (Finlândia). Especialista em Bioética pela Cátedra UNESCO de Bioética da Universidade de Brasília. Graduado em Relações Internacionais e Estudos Políticos pela Universidad Militar Nueva Granada. Formação complementar em nível de graduação em Medicina (seis semestres) na Universidad El Bosque (Colômbia). Coordenador executivo do Curso Lato Sensu em Bioética da Cátedra UNESCO de Bioética da Universidade de Brasília e consultor da Organização Pan-americana da Saúde no Ministério da Saúde.

Como Citar

1.
Arruda Lima M, Manchola Castillo CH. Bioética, cuidados paliativos e libertação: contribuição ao “bem morrer”. Rev. bioét.(Impr.). [Internet]. 21º de junho de 2021 [citado 16º de junho de 2024];29(2). Disponível em: https://revistabioetica.cfm.org.br/revista_bioetica/article/view/2437