Dimorfismo sexual, ¿natural? Una reinterpretación crítica de las diferencias biológicas

Autores

Resumo

O presente trabalho expõe a interpretação sexual dimórfica das diferenças biológicas na espécie humana resultante da leitura androcêntrica dos corpos que caracterizou a ciência moderna. Em contraste com esta leitura, mostra-se como práticas sociais associadas aos papéis de gênero podem se traduzir em diferenças biológicas que se encaixam na leitura dimórfica. Com base nisso, propõe-se que, se existem certos correlatos entre genitalidade e diferenças biológicas, estes não são causados necessariamente
por processos de diferenciação sexual, mas por vínculos estatísticos dados por estereótipos normativos de gênero. Os comportamentos envolvidos em tais estereótipos são biologicamente expressos, e os papéis de gênero criam muitas das diferenças biológicas hoje assumidas como naturalmente dimórficas.

Palavras-chave:

Sexo. Identidade de gênero. Caracteres sexuais

Biografia do Autor

Lucía Ciccia, CIEG-UNAM

Investigadora del área de Género en la Ciencia, la Tecnología, y la Innovación, en el Centro de Investigaciones y Estudios de Género (CIEG-UNAM)

Como Citar

1.
Ciccia L. Dimorfismo sexual, ¿natural? Una reinterpretación crítica de las diferencias biológicas. Rev. bioét.(Impr.). [Internet]. 5º de abril de 2021 [citado 23º de abril de 2024];29(1). Disponível em: https://revistabioetica.cfm.org.br/revista_bioetica/article/view/2357