Que horas ela volta? Análise bioética sobre gênero e classe

Autores

  • Doris Gomes Universidade Federal de Santa Catarina UFSC
  • Rodrigo Otávio Moretti-Pires Universidade Federal de Santa Catarina UFSC
  • Mirelle Finkler Universidade Federal de Santa Catarina UFSC

Resumo

A exibição de filmes seguida de debate pode ser empregada como recurso pedagógico da bioética narrativa, visando compartilhar percepções e ampliar coletivamente a capacidade de refletir e dialogar. Neste artigo buscou-se aprofundar a análise de questões ético-políticas suscitadas em debate sobre o filme Que horas ela volta? com estudantes de uma universidade pública. O filme faz um resgate sócio-histórico da formação brasileira, expondo antagonismos ancestrais e uma cultura visceralmente racista, sexista e autoritária. Foram levantadas coletivamente as principais cenas-chave do filme, debatidas à luz da bioética social com base em leitura previamente recomendada. O processo levou os alunos a problematizar relações de gênero, classe, trabalho, poder e violência simbólica no Brasil contemporâneo – reflexões necessárias no contexto da educação
superior em saúde.

Palavras-chave:

Bioética. Ética. Filmes cinematográficos. Educação superior. Identidade de gênero.

Como Citar

1.
Gomes D, Moretti-Pires RO, Finkler M. Que horas ela volta? Análise bioética sobre gênero e classe. Rev. bioét.(Impr.). [Internet]. 21º de dezembro de 2020 [citado 22º de junho de 2024];28(4). Disponível em: https://revistabioetica.cfm.org.br/revista_bioetica/article/view/2266