O papel da comunicação na humanização da atenção à saúde

Autores

  • Maria Júlia Paes da Silva

Resumo

O artigo faz uma análise acerca do papel e influência da comunicação interpessoal no atendimento em saúde. Resgata a compreensão do ser humano como alguém que possui códigos psicossociais (lingüísticos) e psicobiológicos (seu comportamento e expressão não-verbal), argumenta que os pacientes estão atentos e criam vínculos, basicamente, pela maneira como o profissional consegue ser coerente e complementar na sua comunicação verbal e não-verbal. Entre os princípios de comunicação expostos, está o de que não existe neutralidade nessas trocas de mensagens feitas entre as pessoas, e que toda comunicação possui duas partes: o conteúdo, o fato, a informação que queremos transmitir, e o que sentimos quando estamos interagindo com o outro. O conteúdo está ligado ao nosso referencial cultural (que é diferente entre o leigo e o profissional) e o sentimento que demonstramos ao interagir, que é percebido (mais ou menos conscientemente) pelo outro, porque as emoções/sentimentos são expressos da mesma maneira (com variações de intensidade) em todas as culturas humanas. Finalizando, a autora conclui que para humanizar a assistência precisamos tornar mais consciente o código não-verbal, que fala da essência do ser humano.

Palavras-chave:

bioética, comunicação, humanização, cuidados, cuidador, inconsciente

Biografia do Autor

Maria Júlia Paes da Silva

Professora livre-docente do Departamento de Enfermagem Médico-Cirúrgica da Escola de Enfermagem da Universidade de São Paulo

Publicado:

2009-11-03

Downloads

Como Citar

1.
Silva MJP da. O papel da comunicação na humanização da atenção à saúde. Rev. bioét.(Impr.). [Internet]. 3º de novembro de 2009 [citado 25º de maio de 2024];10(2). Disponível em: https://revistabioetica.cfm.org.br/revista_bioetica/article/view/215