Terminalidade da vida: reflexão bioética sobre a formação médica

Autores

Resumo

Nesta pesquisa qualitativa, utilizou-se o método do discurso do sujeito coletivo para conhecer os significados, sentimentos e percepções de estudantes de  medicina sobre o tema morte e pacientes terminais. Foram entrevistados 60 alunos de uma universidade do Sul de Minas Gerais. Para os significados sobre terminalidade da vida, a ideia central mais frequente foi “fechamento da vida”. Quando o tema abordado foi o sentimento a respeito do paciente terminal, emergiram as ideias centrais “insegurança”, “impotência”, “frustração” e “angústia”. Quanto ao preparo para lidar com a morte e o morrer, prevaleceu a ideia “não estou preparado”. Já com relação à presença desses temas na formação, surgiram as ideias “abordagem superficial”, “deveriam ser abordados com mais frequência” e “não abordados”. Conclui-se que a formação médica não trata da inexorabilidade da morte, o que afasta a possibilidade de repensar o cuidado como forma terapêutica. 

Palavras-chave:

Bioética. Morte. Educação médica. Empatia.

Biografia do Autor

Izaura Mariana Sobreiro, Universidade Vale do Sapucaí

Psicóloga, Especialista em Políticas e Gestão da Saúde da SES/MG, mestranda em Bioética, programa de pós graduação em Bioética da Universidade do Vale do Sapucaí

Como Citar

1.
Sobreiro IM, Castro Brito PC, dos Anjos Mendonça AR. Terminalidade da vida: reflexão bioética sobre a formação médica. Rev. bioét.(Impr.). [Internet]. 21º de junho de 2021 [citado 25º de junho de 2024];29(2). Disponível em: https://revistabioetica.cfm.org.br/revista_bioetica/article/view/2112