Avanço genético e políticas de anonimato

Autores

  • Natacha Salome Lima Consejo Nacional de Investigaciones Científicas y Técnicas (CONICET) – Universidad de Buenos Aires. Facultad de Psicología. Buenos Aires, Argentina http://orcid.org/0000-0001-6728-961X
  • Mariela Rossi Sociedad Argentina de Medicina Reproductiva SAMER

Resumo

Nos últimos anos, o número de tratamentos de reprodução assistida com doação de gametas (óvulos e/ou espermatozoides) aumentou na Argentina. A filiação por técnicas de reprodução assistida heteróloga interroga a tradicional “herança sanguínea”, objeto de estudo privilegiado das ciências sociais. Nas últimas décadas, o paradigma do anonimato dos doadores mudou em muitos países. Por sua vez, sugeriu-se que avanços rápidos e generalizados em testes genéticos poderiam modificar as políticas de anonimato. Quais são as consequências de fundamentar a revelação das informações genéticas/de identificação com base no maior acesso que o teste genético torna possível? Esta reflexão parte de duas vertentes: a pública, que analisa os paradoxos dos artigos do novo Código Civil e Comercial (2015); e a íntima, que determina as coordenadas sobre as quais se inscrevem a transmissão singular das origens.

Palavras-chave:

Técnicas de reprodução assistida. Bioética. Triagem e testes direto ao consumidor.

Como Citar

1.
Lima NS, Rossi M. Avanço genético e políticas de anonimato. Rev. bioét.(Impr.). [Internet]. 19º de dezembro de 2019 [citado 22º de fevereiro de 2024];27(4). Disponível em: https://revistabioetica.cfm.org.br/revista_bioetica/article/view/1969