Percepção de formandos de medicina sobre a terminalidade da vida

Autores

  • Tanise Nazaré Maia Costa Universidade do Estado do Pará http://orcid.org/0000-0003-1319-5591
  • Milena Coelho Fernandes Caldato Universidade do Estado do Pará
  • Ismari Perini Furlaneto Centro Universitário do Pará

Resumo

O avanço da medicina aprimorou o tratamento de enfermidades, modificando o padrão de morbimortalidade da população, com aumento de doenças crônicas. Esse fenômeno tornou urgente interpretar adequadamente a terminalidade da vida. Considerando essa necessidade, este estudo, de corte transversal, descritivo e analítico, analisou dados sobre a percepção de 111 estudantes do sexto ano de medicina acerca dos cuidados paliativos no fim da vida. Os dados foram coletados entre agosto e novembro de 2016, por meio de questionário e analisados por testes estatísticos com o programa Iramuteq. 37,3% dos estudantes relataram dificuldade em comunicar a morte do paciente à família; 60% sentem-se despreparados ou com dúvidas sobre como lidar com óbitos em serviço de urgência; 25% desconheciam o termo “eutanásia, 53% “ortotanásia”, e 56% “distanásia”. Os resultados mostram que ainda há lacunas no conhecimento desses estudantes, explicitando a necessidade de que escolas médicas reforcem práticas pedagógicas sobre a morte.

Palavras-chave:

Percepção. Estudantes de medicina. Cuidados paliativos na terminalidade da vida.

Biografia do Autor

Tanise Nazaré Maia Costa, Universidade do Estado do Pará

Graduação em Medicina pela Universidade do Estado do Pará (2006), ensino fundamental e médio pelo Colégio Ideal (2000) e residência médica pela Fundação Santa Casa de Misericórdia do Pará em Clínica médica (2009) e pelo Hospital Universitário João de Barros Barreto em Geriatria (2011). Possui título de especialista em Geriatria pela Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia/Associação Médico Brasileira. Preceptora da residência em clínica médica pelo Hospital Ophir Loyola/Centro Hospitalar Jean Bitar. Docente do curso de Medicina do Centro Universitário do Pará (disciplinas de Habilidades Clínicas e Práticas médicas). Mestranda em Ensino em Saúde da Amazônia pela Universidade do Estado do Pará.

Milena Coelho Fernandes Caldato, Universidade do Estado do Pará

Graduada em Medicina pela Universidade Federal do Pará (1997) e em Farmácia pelo Centro Universitário do Pará (1995). Residência Médica em Endocrinologia e Metabologia no Hospital Beneficência Portuguesa de São Paulo. Título de Especialista em Endocrinologia e Metabologia pela SBEM e Título de Especialista em Nutrologia pela ABRAN. Especialista em Bioética pela Università Sacro Cuore de Roma - Itália. Doutorado em Medicina (Endocrinologia Clínica) pela Universidade Federal de São Paulo (2003). Professora Adjunta III de Clínica Médica (sub-área: Endocrinologia) da Universidade do Estado do Pará. Professora Titular e Coordenadora do Curso de Medicina do CESUPA. Docente e Orientadora do Mestrado em Ensino e Saúde na Amazônia (UEPA) e do Mestrado em Educação médica do CESUPA. Chefe do Serviço e Coordenadora da Residência Médica de Endocrinologia e Metabologia do Centro Universitário do Pará -CESUPA. Foi preceptora da Residência Médica em Endocrinologia e Metabologia do Hospital Universitário João Barros Barreto (2007-2014). Presidente do Departamento de Adrenal e Hipertensão da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (2007-2008; 2009-2010 e 2011-2012). Presidente da Regional Pará da SBEM por 2 mandatos (2005 a 2007; 2013 a 2017). Presidente do Centro de Bioética da Amazônia (CBAm). Experiência em Endocrinologia e Metabologia, atuando principalmente nos seguintes temas: hiperplasia adrenal congênita, doenças adrenais e neuroendócrinas, Hipotireoidismo Congênito, Acromegalia, Tumores endócrinos, Hipertensão Endócrina; além de temas em Bioética e Educação Médica.

 

Ismari Perini Furlaneto, Centro Universitário do Pará

Doutoranda do Programa de Pós Graduação em Biologia Parasitária na Amazônia (PPGBPA/UEPA/IEC), possui Mestrado em Doenças Tropicais (PPGDT/NMT/UFPA) e graduação em Farmácia (CESUPA). Atualmente é professora do Eixo Iniciação Científica 2 (módulo Bioestatística) do Curso de Medicina da Faculdade Metropolitana da Amazônia (FAMAZ), Vice-Coordenadora da Comissão de Ética no Uso de Animais (CEUA/FAMAZ) e tutora do curso de Medicina do Centro Universitário do Estado do Pará (CESUPA) e da FAMAZ. É pesquisadora do Grupo de Pesquisa Experimental do CESUPA e participa do Grupo de Pesquisa em Agentes Bacterianos e Fúngicos na Amazônia Brasileira (IEC/SVS/MS). Atuou como professora colaboradora na disciplina Bioestatística para o Programa de Pós-Graduação em Doenças Tropicais da UFPA (PPGDT/NMT/UFPA) de 2011 a 2016 e ministra o Curso de Bioestatística em PPG de outras IES.

Como Citar

1.
Costa TNM, Caldato MCF, Furlaneto IP. Percepção de formandos de medicina sobre a terminalidade da vida. Rev. bioét.(Impr.). [Internet]. 19º de dezembro de 2019 [citado 16º de abril de 2024];27(4). Disponível em: https://revistabioetica.cfm.org.br/revista_bioetica/article/view/1968