Dilemas de profissionais de unidade de terapia intensiva diante da terminalidade

Autores

Resumo

O objetivo geral deste artigo é compreender como profissionais intensivistas vivenciam a terminalidade e seus impasses bioéticos. O estudo apresenta resultados de pesquisa de campo quali-quantitativa com 12 intensivistas de um hospital público estadual. Foram utilizados na coleta de dados questionário sociodemográfico e entrevista semiestruturada, gravada em áudio e transcrita posteriormente. Os dados foram processados com auxílio do software Iramuteq, que analisa textos estatisticamente. O estudo evidencia como os profissionais compreendem de forma superficial o fim da vida e os dilemas bioéticos decorrentes, faltando base para decisões terapêuticas. Pode-se perceber que a vivência dos profissionais é permeada por dificuldades e sentimentos diversos. Por fim, conclui-se que é necessário investir em educação continuada para trabalhar temas da bioética como a terminalidade.  

Palavras-chave:

Bioética. Unidades de terapia intensiva. Cuidados paliativos na terminalidade da vida.

Biografia do Autor

Gisly Macedo de Sousa, UESPI - UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PIAUÍ

Psicóloga Intensivista, especialista em Terapia Cognitivo Comportamental

Marinalva de Araújo Lustosa, UESPI

Psicóloga Especialista em Terapia Intensiva pela UESPI; Teresina, Piauí, Brasil

Valéria Sena Carvalho

Mestre em Psicologia social pela Universidade Federal da Paraíba (UFPB);Preceptora Residência Multiprofissional em Terapia Intensiva do Adulto (RIMTIA) da UESPI; Teresina, Piauí, Brasil.

Como Citar

1.
Sousa GM de, Lustosa M de A, Carvalho VS. Dilemas de profissionais de unidade de terapia intensiva diante da terminalidade. Rev. bioét.(Impr.). [Internet]. 20º de setembro de 2019 [citado 25º de maio de 2024];27(3). Disponível em: https://revistabioetica.cfm.org.br/revista_bioetica/article/view/1835