Uso de documentário na formação médica e reflexão ética sobre o aborto

Autores

  • Ianna Muniz Faculdade de Medicina da Bahia, UFBA
  • Liliane Lins Faculdade de Medicina, UFBA http://orcid.org/0000-0003-3736-0002
  • Marta Silva Menezes Escola Bahiana de Medicina e Saúde Pública

Resumo

O ensino das humanidades na graduação de medicina, principalmente da ética e bioética, é imprescindível para o sucesso da futura relação médico-paciente. A arte cinematográfica vem se destacando como instrumento eficaz de ensino-aprendizagem, pois prepara o aluno para refletir e lidar com diversos conflitos da prática médica. Trata-se de estudo descritivo, com método qualitativo e emprego da técnica de análise temática a partir do documentário “À margem do corpo” como recurso didático para identificar as principais temáticas éticas abordadas pelos alunos e seus posicionamentos em relação a elas. Participaram deste estudo 50 alunos do segundo período de curso de medicina. Quatro temáticas principais foram discutidas: vulnerabilidade e redução da autonomia; objeção de consciência; desumanização e negligência na assistência à saúde; e aborto.

 

Palavras-chave:

Filmes cinematográficos. Ética médica. Bioética. Análise de vulnerabilidade. Humanização da assistência. Aborto legal.

Biografia do Autor

Ianna Muniz, Faculdade de Medicina da Bahia, UFBA

Graduanda de Medicina, Faculdade de Medicina da Bahia, UFBA

Liliane Lins, Faculdade de Medicina, UFBA

Coordenadora do Núcleo de Pesquisa e Educação Transdisciplinar de Bioética, Faculdade de Medicina da Bahia 

Professora do Eixo Ético Humanístico da FMB, UFBA

Departamento de Medicina Preventiva e Social

Livre-docente em Bioética

Marta Silva Menezes, Escola Bahiana de Medicina e Saúde Pública

Doutora em Medicina e Saúde, PPgMS, FMB, UFBA

Professora Titular da Escola Bahiana de Medicina e Saúde Pública

Como Citar

1.
Muniz I, Lins L, Menezes MS. Uso de documentário na formação médica e reflexão ética sobre o aborto. Rev. bioét.(Impr.). [Internet]. 19º de dezembro de 2018 [citado 22º de fevereiro de 2024];26(4). Disponível em: https://revistabioetica.cfm.org.br/revista_bioetica/article/view/1635