Finitude da vida compreensão conceitual da eutanásia, distanásia e ortotanásia

Autores

  • Carlos Wilson de Alencar Cano Universidade Anhanguera-Uniderp
  • Ana Letícia Cavenaghi da Silva Universidade Anhanguera-Uniderp
  • Andressa Freire Barboza Universidade Anhanguera-Uniderp
  • Bianca Ferreira Bazzo Universidade Anhanguera-Uniderp
  • Caroline Pereira Martins Universidade Anhanguera-Uniderp
  • Décio Iandoli Júnior Universidade Anhanguera-Uniderp
  • Leinyara da Silva Brito Benites Universidade Anhanguera-Uniderp
  • Lillian Batista Terceros Universidade Anhanguera-Uniderp
  • Ricardo dos Santos Gonçalves Nantes Universidade Anhanguera-Uniderp

Resumo

O objetivo deste trabalho foi avaliar o conhecimento de médicos de unidades de terapia intensiva de Campo Grande/MS acerca dos conceitos de eutanásia, distanásia e ortotanásia. A pesquisa, transversal e qualiquantitativa, envolveu 80 médicos que responderam a um questionário autoaplicável com perguntas fechadas e abertas, as quais visavam aferir o conhecimento do entrevistado sobre os três conceitos. A análise dos dados demonstrou que 32% dos entrevistados definiram inadequadamente eutanásia, 75% e 61,2% definiram com exatidão os conceitos de distanásia e de ortotanásia, respectivamente, e 46,2% tinham conhecimento adequado dos três termos e práticas. Notamos que o tempo de formado foi inversamente proporcional ao conhecimento dos conceitos.

Palavras-chave:

Eutanásia. Morte. Doente terminal. Unidades de terapia intensiva. Atitude frente a morte.

Como Citar

1.
de Alencar Cano CW, Cavenaghi da Silva AL, Freire Barboza A, Ferreira Bazzo B, Pereira Martins C, Iandoli Júnior D, et al. Finitude da vida compreensão conceitual da eutanásia, distanásia e ortotanásia. Rev. bioét.(Impr.). [Internet]. 18º de junho de 2020 [citado 20º de abril de 2024];28(2). Disponível em: https://revistabioetica.cfm.org.br/revista_bioetica/article/view/1537