Considerações bioéticas sobre a relação médico-paciente indígena

Autores

  • Ana Carolina Giolo dos Santos Universidade de Santo Amaro (Unisa)
  • Ana Paula Marconi Iamarino Unisa
  • Jaqueline Boni da Silva Unisa
  • Ana Cristina Ribeiro Zollner Unisa
  • Clóvis Francisco Constantino Conselho Federal de Medicina

Resumo

O princípio da autonomia foi conquista bioética significativa, uma vez que teve impactos positivos na relação médico-paciente. A busca do equilíbrio no contato entre o tradicional paternalismo médico e a especificidade cultural do paciente indígena é fundamental para a manutenção simétrica dessa relação. Diante disso, é indispensável que o médico considere e admita a existência da diversidade social e cultural para elaborar projetos terapêuticos que visem a autonomia do paciente, da família e comunidade, garantindo, assim, bom atendimento e qualidade de vida. Este artigo objetiva caracterizar, sob o enfoque da bioética, o desafio enfrentado
na relação médico-paciente indígena, pontuar situações críticas e sugerir aos profissionais estratégias para estabelecer relações idealmente harmoniosas entre essas culturas na área da saúde.

Palavras-chave:

População indígena. Saúde de populações indígenas. Relações médico-paciente. Bioética.

Biografia do Autor

Clóvis Francisco Constantino, Conselho Federal de Medicina

Pediatra, presidente do Departamento de Bioética da Sociedade Brasileira de Pediatria, presidente da Sociedade de Pediatria de São Paulo (1998-2000), presidente do Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo (2003-2004), consultor de Bioética e membro do Centro de Estudos do Conjunto Hospitalar do Mandaqui/SP.

Como Citar

1.
dos Santos ACG, Iamarino APM, da Silva JB, Zollner ACR, Constantino CF. Considerações bioéticas sobre a relação médico-paciente indígena. Rev. bioét.(Impr.). [Internet]. 5º de dezembro de 2017 [citado 23º de abril de 2024];25(3). Disponível em: https://revistabioetica.cfm.org.br/revista_bioetica/article/view/1327