Fluoretação da água de abastecimento público: abordagem bioética, legal e política

Autores

  • Cléa Adas Saliba Garbin Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (Unesp) - Faculdade de Odontologia de Araçatuba
  • Luis Felipe Pupim dos Santos Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (Unesp) - Faculdade de Odontologia de Araçatuba
  • Artênio José Isper Garbin Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (Unesp) - Faculdade de Odontologia de Araçatuba
  • Suzely Adas Saliba Moimaz Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (Unesp) - Faculdade de Odontologia de Araçatuba
  • Orlando Saliba Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (Unesp) - Faculdade de Odontologia de Araçatuba

Resumo

Este artigo tem como objetivo analisar aspectos bioéticos e questões legais e políticas da fluoretação de águas de abastecimento público, criando discussões baseadas em estudos consagrados e em novas pesquisas, a fim de contribuir para abordagem imparcial do tema. Trata-se de revisão bibliográfica realizada após levantamento de literatura especializada sobre “fluoretação”, “bioética” e “intoxicação por flúor”. Foram selecionados estudos que possibilitaram discussão plural, relevantes para o debate do tema. A fluoretação das águas de abastecimento público é importante medida de saúde pública para prevenir a cárie dentária, tendo sua eficácia comprovada em vários estudos. Sua obrigatoriedade prevista por lei federal gera dilemas bioéticos, pois exclui a possibilidade de escolha individual de consumir ou não água fluoretada. Não parece haver saída para esse dilema moral, mesmo se a medida fosse livre de qualquer risco, pois ainda assim violaria o princípio da autonomia.

Palavras-chave:

Fluoretação. Bioética. Intoxicação por flúor.

Como Citar

1.
Adas Saliba Garbin C, Santos LFP dos, José Isper Garbin A, Adas Saliba Moimaz S, Saliba O. Fluoretação da água de abastecimento público: abordagem bioética, legal e política. Rev. bioét.(Impr.). [Internet]. 1º de agosto de 2017 [citado 22º de fevereiro de 2024];25(2). Disponível em: https://revistabioetica.cfm.org.br/revista_bioetica/article/view/1287