Crônica de uma morte adiada: o tabu da morte e os limites não científicos da ciência

Resumo

Este relato, apresentado como estudo de caso, acompanha os oito dias que transcorreram entre a internação para a implantação de um marca-passo e o falecimento de um sujeito de 92 anos, com histórico de hipertensão, diabetes melito e em estágio avançado de Alzheimer, caracterizado por completa perda das memórias de longo e curto prazos e por quadro geral de demência, com total incapacidade de compreensão de sua situação no contexto hospitalar. Trata-se de relato de caráter subjetivo, realizado por um observador com vínculos afetivos com o sujeito objeto da observação e com atuação acadêmica em área estranha à medicina.

 

Palavras-chave:

Atitude frente à morte. Evolução fatal. Assistência terminal. Doença de Alzheimer. Demência. Moralidade- Princípio do Prazer-Desprazer. Eutanásia.

Como Citar

1.
Crônica de uma morte adiada: o tabu da morte e os limites não científicos da ciência. Rev. bioét.(Impr.). [Internet]. 23º de julho de 2015 [citado 20º de abril de 2024];23(2). Disponível em: https://revistabioetica.cfm.org.br/revista_bioetica/article/view/1043