Acesso de migrantes haitianos à saúde pública: uma questão bioética

Autores

Resumo

As vulnerabilidades intrínsecas à migração despertam o olhar bioético no que concerne às iniquidades em saúde, que muitas vezes comprometem o acesso a serviços sanitários. Com isso, esta pesquisa avalia o acesso à saúde de migrantes haitianos, buscando reconhecer situações que geram maior vulnerabilidade, com vistas ao aperfeiçoamento de políticas públicas. O estudo utilizou abordagem qualitativa, coletando dados por meio de grupo focal formado por haitianos de ambos os sexos. Conclui-se que é preciso sensibilizar profissionais de saúde em relação a diferenças culturais, combater a xenofobia e o racismo e conscientizar quanto à vulnerabilidade de migrantes e refugiados. A partir disso, será possível repensar políticas e ações em saúde de modo a alcançar a universalidade, a integralidade e a equidade fomentadas pelo Sistema Único de Saúde.

Palavras-chave:

Migrantes. Acesso aos serviços de saúde. Bioética. Equidade em saúde.

Biografia do Autor

Anna Silvia Penteado Setti da Rocha, Universidade Tecnológica Federal do Paraná

Cirurgia-Dentista, Doutora em Radiologia Odontologica, Pos Doutora em Bioética.

Como Citar

1.
da Rocha ASPS, da Cunha TR, Guiotoku S, Moyses ST. Acesso de migrantes haitianos à saúde pública: uma questão bioética. Rev. bioét.(Impr.). [Internet]. 18º de junho de 2020 [citado 15º de abril de 2024];28(2). Disponível em: https://revistabioetica.cfm.org.br/revista_bioetica/article/view/1906