Violência em saúde: quando o médico é o vulnerável

Elias Abdalla Filho

Resumo


A literatura bioética comumente elege alguns personagens como verdadeiros protótipos de sujeitos vulneráveis na área da saúde, dentre eles os pacientes. A figura do médico, por sua vez, desperta atenção não por este prisma, mas exatamente por seu oposto, ou seja, ele é visto como sujeito detentor de poder, sobretudo sobre seus próprios pacientes. Este artigo analisa, sob o vértice bioético, situações que colocam o médico na posição de sujeito vulnerável quando sob pressão advinda da instituição em que trabalha, de colegas profissionais ou mesmo de seus próprios pacientes. Objetiva, ainda, questionar a capacidade de este profissional oferecer condições de saúde a seus pacientes, quando lhe falta a própria saúde mental por se encontrar sob condições de violência emocional.

Palavras-chave


vulnerabilidade; violência; bioética; assédio moral

Texto completo:

PDF