Relação Médico-Paciente e Paciente-Instituição na AIDS

Marcos Almeida, Daniel Romero Munoz

Resumo


Os autores abordam inicialmente, a partir de um questionamento da ética hipocrática, a responsabilidade profissional do médico frente aos dilemas morais da Medicina atual, indicando que a ampla divergência de opiniões e valores entre médicos, pacientes e público em geral acarreta divisões que impedem que um grande conjunto de normas homogêneas seja aceito por todos; apresentam duas alternativas para a ética médica contemporânea. Em seguida, discutem a repercussão de uma doença grove a AIDS—sobre a relação médico-paciente, enfatizando alguns aspectos, como a discriminação, o direito à informação e à confidência e o abandono e coerção do doente ou do portador do vírus. Tecem considerações sobre a responsabilidade do médico, frente à sociedade e ao próprio paciente e sobre o papel do médico no confronto entre o direito coletivo e o pessoal, em épocas de crise social causado pela ameaça de epidemias.

Texto completo:

PDF