Medicina defensiva: uma prática em defesa de quem?

Homaile Mascarin do Vale, Maria Cristina de Oliveira Santos Miyazaki

Resumo


Casos de litígio contra médicos têm aumentado no Brasil: já são três novas ações por hora em decorrência de suposto erro médico. Este estudo objetivou analisar se o médico processado e o profissional que conhece outro colega de profissão que também passou por tal situação alteram a conduta clínica com receio de figurar como réu em ação indenizatória por erro médico. Foi aplicado questionário a 104 médicos de 28 especialidades, sendo 53 mulheres (51%) e 51 homens (49%). Analisou-se a relação entre variáveis como estado civil, tempo médio de formado, vínculos empregatícios, entre outras, e a prática cotidiana da medicina defensiva. O estudo busca promover o debate sobre a alteração da conduta clínica por interesse do médico em não ser processado, desvinculando sua prática e a hipótese diagnóstica do paciente.

 


Palavras-chave


Medicina defensiva. Erros médicos. Imperícia-Imprudência.

Texto completo:

PDF PDF (Español) PDF (English)