Do clínico geral ao psiquiatra: fronteira ética entre atenção primária e serviços de psiquiatria

Francisco da Costa Júnior

Resumo


A relação entre médicos não-psiquiatras e médicos psiquiatras é abordada neste ensaio em dois níveis. O primeiro discute os problemas éticos e técnicos que envolvem esta relação, principalmente a baixa ocorrência deste tema na literatura científica, as distorções conceituais envolvidas no diagnóstico psiquiátrico realizado por médicos não-psiquiatras, bem como a prescrição abusiva e não específica de psicotrópicos sedativos na saúde pública brasileira. No outro nível de abordagem, mais propositivo, elabora-se um modelo de ensino que oriente de modo didático e prático o diagnóstico e condutas médicas frente a problemas clínicos que, a princípio, demandem diagnósticos psiquiátricos, prescrição de psicotrópicos ou encaminhamento a serviços de psiquiatria. Propõe-se que o médico nãopsiquiatra deva fazer apenas diagnósticos psiquiátricos não específicos, pautando-se para isso na distinção entre síndromes psiquiátricas graves e síndromes com menor gravidade. E que, a partir desta distinção, deva orientar sua conduta atendo-se a sua capacidade técnica de gerir tratamentos psiquiátricos a médio e longo prazo, ou com apoio referencial ao especialista. Também se discute como deve ser feito o encaminhamento ao psiquiatra, quando for este o caso.

Palavras-chave


Atenção Primária à Saúde; Saúde pública; Psiquiatria; Psicotrópicos

Texto completo:

PDF